13.7.06

SURTOS PARA NÃO SEREM ENTENDIDOS

E o menino disse:
- Mamãe, quero ser revolucionário quando crescer.
- Vai ser médico, filho. É mais fácil...
.
.
.
Clodoaldo era um menino bom. Clodoaldo sabia escrever e atravessava na faixa. Clodoaldo escutava as histórias repetidas da vovó sem se chatear. Clodoaldo comia primeiro o almoço e só depois a sobremesa. Clodoaldo gostava dos animais e sonhava em ser do Greenpeace.
Então por que cargas d´água deram ao Clodoaldo o nome de Clodoaldo?
.
.
.
Eu queria ser poeta,
mas poeta não posso ser,
pois poeta pensa em tudo
e eu não penso em rimas agora.
.
.
.
Ela decidiu vender o anel. Vendeu. Ela decidiu vender o colar também. Vendeu. Vendeu o vestido, o sapatinho branco, a meia calça, o arranjo do cabelo. Vendeu até a luvinha que a mãe lhe obrigara a usar na ocasião. Vendeu tudo e ficou sem nada. Nadinha. E a noite de núpcias foi lá no altar mesmo. Venderam tudo, compraram uma casinha no rancho e viveram felizes para sempre. Bens materiais não trazem felicidade mas, se vender, quem sabe...
.
.
.
E se meu nome é Marcela Heitor eu tenho tendências genéticas a ter crise de identidade?
.
.
.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial