29.6.06

Eu nasci para mudar o mundo (mesma que seja só o meu).
Eu nasci de cesariana e por isso nasci chorando: queria ter vindo de parto normal.
Eu nasci para renascer.
Eu nasci para rir de todas as piadas e não saber contar nenhuma.
Eu nasci vendo tudo de cabeça pra baixo (mas nasci para deixar tudo de cabeça pra cima).
Eu nasci para gostar de livros.
Eu nasci para dizer tudo sem falar nada.
Eu nasci para entender olhares.
Eu nasci para complicar o complicado.
Eu nasci para amar meus pais.
Eu nasci para ter preguiça de brigar.
Eu nasci para ter duas casas e não ter nenhuma.
Eu nasci para adorar criança.
Eu nasci para que me conheçam, no máximo, 70% (os outros 30% nasceram para mim).
Eu nasci para números ímpares.
“Eu nasci para você” e pra fazer frases desse romance piegas.
Eu nasci para andar sem rumo e me perder de casa, mesmo andando sempre em linha reta.
Eu nasci para usar brincos.
Eu nasci para ser chocólatra, doceira e comedora oficial de besteiras.
Eu nasci para ser rival da balança.
Eu nasci para não gostar de feijão e de coca-cola.
Eu nasci para ser a primeira neta da família paterna.
Eu nasci para parecer forte e chorar escondido.
Eu nasci para apoiar os outros.
Eu nasci para ver o lado bom das coisas. Acho que devia chamar Poliana.
Eu nasci para ter os olhos do meu pai e o resto da minha mãe.
Eu nasci no último dia de abril e na maternidade Maio.
Eu nasci para ser prolixa.
Eu nasci para escrever primeiro a mão, depois digitar.
Eu nasci para ser professora, mesmo sendo jornalista.
Eu nasci para ser jornalista, mesmo sendo professora.
Eu nasci para estar odiando gerundismo.
Eu nasci para rezar toda noite.
Eu nasci para pegar caronas de Goiânia a Brasília enquanto o trem bala não fica pronto.
Eu nasci para sonhar demais sem sair do chão.
Eu nasci para não esquecer o rosto de ninguém.
Eu nasci para adorar anáforas. Eu nasci eu nasci eu nasci.
Eu nasci para não ter cachorros.
Eu nasci para me adaptar a tudo.
Eu nasci para não ter estilo musical predileto. Nem cor, nem comida.
Eu nasci para não me empolgar muito e sempre me empolgar demais.
Eu nasci para começar meus textos e nunca saber como terminá-los.
Eu nasci quatro meses após o casamento da minha mãe.
Eu nasci, pára.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial