26.11.06

NADA PESSOAL (setembro/2005)

Pra que pensar em nós dois
Se sou teoria, você é prática?
Se sou realista e você é dramática?
Se sou português e você, matemática?

Pra que buscar em você
O brilho do luar, se prefiro o dia?
O poder do monarca, se sou democracia?
A paz de casa, se sou boêmia?

Não, não é certo pensar em nós dois
Quando sou esquerdo e você direita
Quando sou candidato e você é a eleita
Quando sou errado e você, tão perfeita.

E será que daremos certo
Se você é prolixa e eu sou direto?
Você é tão savana e eu tão deserto
Você ave... eu inseto.

Não entendo porque te gosto tanto...
Você tão ímpar, eu tão par
Você tão certa, eu tão irregular
Você tão moderna e eu secular.

Façamos um só desses nós dois
Com todas nossas indefinições
Todos nossos contumes e invenções
E todas as nossas perfeitas contradições.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial