4.5.09

Descaminho

A vida tem vida própria. Raros são aqueles que conseguem nascer, crescer, reproduzir e morrer, assim sem nenhum desviozinho dos planos. Os que atingem essa façanha são os que não saem de jeito nenhum da trilha previamente traçada. Aqueles que deixam de pegar um atalho, uma estrada de chão, um caminhozinho pra cachoeira, um asfalto, um vôo, um trem, um passeio de bicicleta, uma subidinha, uma ladeira, uma carona.

A vida rigorosamente planejada é a vida sem o direito ao livre arbítrio. É a vida sem poder ser a vida que ela queria ser. É o enforcamento do destino. É a proibição do cruzamento da vida com outras vidas para, quem sabe, ser uma vida só.

Eu tenho horror aos que andam sempre na linha. Eu já andei (e muito!) nesse caminho antes de descobrir o descaminho. Serei eternamente grata à mulher que pegou a minha vaga ao lado dele. Não fosse ela, eu não teria pegado o outro trem.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial